domingo, 1 de outubro de 2006

Sintra I - (As origens)

Vista do Palácio Real
Muralha do Castelo dos Mouros
O Palácio Real
Influências árabes
Um dos lugares onde não me canso de ir é a Sintra. Eis pois a proposta para este e quem sabe os próximos posts.
Em Sintra tudo vale a pena: os palácios, a vila antiga, a serra, os castelo, as praias, a mata, os travesseiros (estes não servem para pôr na cabeceira da cama, mas sim para comer, sobretudo se forem da Piriquita), etc, etc…
Eis, pois, Sintra, cuja mais antiga forma medieval conhecida, Suntria, mostra influências Indo-Europeias, podendo significar “astro luminoso”, “sol”.
Já na antiguidade clássica, Sintra aparece referida. Varrão e Columela designaram-na como Monte Sagrado e Ptolomeu registou-a como a Serra da Lua.
O geógrafo árabe Al-Bacr, no século X, caracterizou Sintra como «permanentemente mergulhada numa bruma que se não dissipa».
«Terra de mui boõs ares e agoas e de Comarquas em que há grande avondança de mantimentos de mar e de terra, e por a nossa mui nobre e leal cidade de Lisboa ser tão acerqua, e avermos em ella açaz de folganças, e desenfadamentos de montes e caças (...)» - assim aparece descrita, em 1436, numa carta de privilégios aos moradores de Sintra, passada pelo rei D. Duarte (1433-38).
O cronista Damião de Góis, dá-nos conta que D. Manuel I, rei de 1495 a 1521, apreciava passar o Verão em Sintra pelo fresco do clima e abundância de caça.
Ao longo dos séculos XVII e XVIII Sintra continua a ser referida pela sua beleza e abundância. O Padre Baião em Portugal Cuidadoso (1724) descreve-a assim: «Junto ao Palácio de Cintra havia um bosque tão espesso que ainda de dia mette medo a quem entre n'elle só. E D. Sebastião era d'isso tão izento que saía de noite a passear por elIe muytas vezes duas e tres horas».
Já no século XVIII, Lord Byron refere-se a ela como o “Glorioso Éden” e Richard Strauss viu, sem comparação com «a Itália, a Sicília, a Grécia e o Egipto, um verdadeiro jardim de Klingsor – e, lá no alto, o castelo do Santo Graal».
Depois destas referências históricas, espero ter-vos criado o bichinho para largarem as pantufas e a televisão e verem, com os vossos próprios olhos, tanta beleza, numa zona tão pequena do território português.
Sintra vale a pena em qualquer época do ano. Acreditem

7 comentários:

Moura disse...

Eu não me canso de ir a Sintra e de ver repetidamente os seus monumentos...Quinta da Regaleira, Palácio de Monserrate, Palácio Nacional e o Palácio da Pena, Castelo dos Mouros, Convento dos Capuchos, Museu do Brinquedo...e a Piriquita!!!
E a propósito...quarta feira para lá vou com um grupo de alunos!!
Abraço

Paulo Sempre disse...

Cai neste blog de "pará-quedas". A minha intenção não era deixar qualquer comentário pelo facto de presumir que se tratava de mais um blog de imagens "banais", puro engano!!! É um blogue que tem o mérito de nos ajudar a fazer uma viagem guiada por esse Portugal fora....
Assim, hei-de voltar...
Abraço
Paulo

Joao Vieira disse...

Caro Mestre,
Muito obrigado pelas palavras amigas deixadas no blog.
Aproveito para (mais uma vez) felicitar V.Exª. pela "superior" qualidade dos textos, foto's e seu enquadramento patenteados por este blog que além de nos contar "histórias" nos faz imaginar os "sabores" de tão rica gastronomia apresentada em foto's.
Já agora... quando vamos provar alguns desses petiscos?
Abraço

al cardoso disse...

Vale sem duvida nenhuma, tambem la gosto de ir sempre que vou ao nosso querido Portugal.
Pelos travesseiros tambem!!!

Um abraco serrano.

Ana Luar disse...

Sintra um dos lugares mais bonitos de Portugal... a magia... o encanto... as histórias de amor... tudo está patente em cada esquina.
Por vezes passeio-me por lá e sinto-me uma princesa num reino encantado, na esperança de que a cavalo surja o principe sonhado.
É um lugar de eleição para quem aprecia a beleza.

manuel neves disse...

Viva!

Mais um apaixonado por Sintra, não, não me referi ao Eça, estava a falar de mim próprio.É daqueles lugares que exercitam o imaginário, além da sua riqueza paisagistica e arquitectónica. É um dos lugares que mais me encanta e também é por lá que ensaia um grupo de música popular portuguesa de nome: Real Companhia- muito bom.

Quero agradecer-lhe o comentário no pobre populus, está dificil arranjar tempo para o alimentar e também daí o pobre. É claro que há sistema, sistemas e esquemas. E de há muito, nós que até somos da mesma geração sabemos isso, não é verdade?! Sobre o futebol,nas suas variadas facetas, como sabe, não me pronuncio.neste caso, sobre a saúde, ás vezes não percebo como é que somos um País da União Europeia, mas se calhar a culpa também é minha.

Não quero deixar de lhe dar os parabéns, pelo óptimo blog que tem construído.Cada vez mais rico e cheio de interese.

Um Abraço

Eva disse...

Sim, é verdade. Sintra é realmente mágica. A parte antiga e a serra. Mas também lhe digo que na minha área profissional Sintra e todo o concelho é uma coisa medonha. Tenebrosa e assustadora.
Quem, ao longo dos anos, permitiu todo aquele urbanismo devia ser alvo das piores torturas medievais.