terça-feira, 10 de outubro de 2006

Sintra IV - (O Paço Real)





Vou iniciar este post com um pedido de desculpas, uma vez que vou passar a estar um pouco mais ausente porque o tabalho aperta e, para cúmulo, o meu portátil avariou. O pior de tudo é que muito do meu trabalho aí está guardado, para além de quase todas as fotos tiradas durante os passeios e textos já escritos. Parece-me que o "internamento" vai durar, no mínimo um mês. Esperemos que a máquina recupere

Voltando ao assunto principal, retornemos à Vila Antiga de Sintra onde iremos visitar o Palácio Real".

O Paço Real de Sintra, classificado como monumento nacional foi construído pelos árabes, e manteve-se sem ter muita importância até ao princípio da dinastia de Avis, séc. XV, quando, com D. João I, se torna num paço real de veraneio. Só no reinado de D. Manuel, no século XVI, em plena Renascença, foi a fortaleza medieval transformada em palácio. Após as remodelações, dá-se conta de existirem: 27 aposentos dedicados a quartos, câmaras, ante-câmaras e salas com funções várias (escrivães, tesouraria, secretaria, etc.), espaços reservados a funções religiosas. Com as janelas ampliadas, o rei criou os aposentos do príncipe (1517) e a Sala dos Brasões, (1508) enchendo-o de elementos neo-árabes que atraíam toda a Corte. Inicia-se então uma época áurea para o Palácio da Vila, que se prolongou ainda com D. João III.

Neste palácio esteve também "preso", no século XVII, o rei D. Afonso VI, contando-se que o chão gasto de um dos aposentos, se deve ao facto de o rei arrastar uma perna, o que o levou a desgastar o piso de tijoleira.

Em consequência do terramoto de 1755, o edifício sofreu algumas transformações no séc. XIX. Mesmo assim, é dos poucos Paços que sobreviveram à passagem do tempo, sendo vulgarmente conhecido por Palácio da Vila.

A sua silhueta é claramente marcada pela existência de duas enormes chaminés em forma de cone.

Antes ou depois já sabem que podem passar pela Piriquita que dista cerca de 100 metros do Palácio.


10 comentários:

al cardoso disse...

Ja la estive, devido a ficar situado numa pequena elevacao, dai se pode admirar uma grande parte da antiga vila.

Embora devido ao informado, nao espere muitas novidades ca continuarei a vir para ver se o amigo ja conseguiu arranjar a maquineta.

Um abraco fornense.

Isa&Luis disse...

Olá,

Sintra dos meus encantos!

Adorei ler-te saí com mais sabedoria.

Beijo

Isa

Badala disse...

É dos locais mais belos de Portugal.

Um abraço.

asn disse...

Não me diga que vai estar 1 mês OFF
Então não se arranja por aí uma solução alternativa?
Quero agradecer-lhe toda a amabilidade que tem tido para comigo, com o "dispersamente" e com a minha pessoa, também. É claro que se incluem as encomendas que me enviou. Gosto muito da qualidade daquela mercadoria.
Um grande abraço e volte depressa.
António

pestinha_girl disse...

ola gosto muito de visitar o teu blog pois tem temas interexantes sobre regioes e costumes do noxo Portugal k desconheço obrigado por estes momentos beijinho...

A Cor do Mar disse...

Ola Toze, espero que a maquineta fique pronta logo logo.
Sintra, sempre uma beleza.
Beijoca*

Chanesco disse...

Caro Tozé

Ir a Sintra e não comer umas queijadinhas é como ... e não ...

Saudações Raianas

Jofre Alves disse...

Passei para ver esta agradável e sempre interessante página, onde me delicio nesta madrugada, e também para desejar bom fim-de-semana. Parabéns pelo blogue, cada vez mais imprescindível visitar.

Nuno disse...

Caro Amigo,

Sintra é, para mim, em conjunto com a maravilhosa Serra de Sintra, a vila mais bonita de Portugal, quem sabe do mundo! Tal como tu, também eu não me canso de ir a Sintra e são várias as vezes que lá vou. O facto de ter familiares perto fazem juntar o útil ao agradável.

Lugares como a Quinta da Regaleira, o Palácio da Pena, o Palácio de Sintra, o Castelo dos Mouros ou, já mais longe, o Convento dos Capuchos, são de visita obrigatória. Sintra é tão rica em monumentos e histórias que um fim-de-semana é manifestamente pouco para que se fique a conhecer tudo aquilo que é digno conhecer.

Outros locais existem que são de passagem quase obrigatória. É em Sintra que fica uma das casas que Eça de Quirós refere na sua excelente obra "Os Maias", onde é hoje o Hotel Lawrence. Referiste, e muito bem devo dizer, a Piriquita, com os seus Travesseiros e Queijadinhas de Sintra que são de comer e chorar por mais. A isso acrescento um bar bastante bonito e que merece ser visitado por quem queira passar a noite em Sintra: o Fonte da Pipa.

citadinokane disse...

Tozé,
Enviei para o Moura uma encomenda, demorei por conta de uma pequena greve dos trabalhadores que atrapalhou bastante, restabelecido a normalidade espero que chegue o mais rápido... Tomara que a encomenda não vá no lombo de um burro e depois numa canoa a remo... Rsrsrs...
Espero que gostes do CD que te enviei.
Abraços,
Pedro