quinta-feira, 19 de abril de 2007

Praça 8 de Maio - Coimbra



Voltamos hoje a falar de Coimbra e a partilhar algumas fotografias antigas da nossa cidade. Comecemos pela Praça 8 de Maio.
A Praça 8 de Maio é assim chamada por ter sido nesse dia, corria o ano de 1834, que entraram na cidade, as tropas liberais do Duque da Terceira.
Até aí, e mesmo muito depois, era popularmente conhecida como Largo de Sansão, devido ao facto de ali existir, no centro da praça, uma estátua dessa personagem bíblica que encimava um chafariz aí erguido. Construído a mandado de D. Afonso Martins, prior de Santa Cruz, foi-lhe acrescentada a estátua referida em 1592.
Curioso é o facto de, em 1612, a Câmara ter decidido proibir a lavagem de louça e roupas nesse local.
Esse chafariz acabou demolido, em 1876, a fim de ser construído o actual edifício da Câmara Municipal de Coimbra.
Em tempos idos o Largo de Sansão era um dos locais preferidos pelas vendedeiras, para aí venderem os produtos das suas hortas e não só, o que levou a Câmara, em 1784, a determinar que só aí podiam transacionar os seus produtos, as vendedeiras com mais de 50 anos e de boa reputação.

Muito lindo é Sansão
Que tem bicas a correr
Mais lindo é Montarroio
Que tem moças a valer.
Merece destaque, neste largo, a Igreja de Santa Cruz (de que falaremos um dia destes) e o Café Santa Cruz, instalado na antiga Igreja de S. João de Santa Cruz, onde entrar é sempre um deleite para os olhos pois, para além de tomar um simples café, podemos apreciar os seus vitrais bem como a magnífica abóbada que lhe serve de cobertura.

Curiosidades das fotografias:
  • 1ª foto - Data de inícios do século XX e tem como curiosidade o facto de os dois prédios na zona central serem os mesmos qua ainda hoje existem no início da rua Visconde da Luz (adquiriu este nome em 1858, depois de ter sofrido obras de alargamento), antiga rua de Coruche, famosa pelos seus ourives. Do lado esquerdo a Igreja de Santa Cruz, antes do rebaixamento da Praça, altura em que era necessário descer 11 degraus para lá entrar. Do lado direito as palmeiras que desapareceram com as mesmas obras.

  • 2ª foto - Datada de 1979. Nessa altura ainda o trânsito passava pela Praça 8 de Maio. Destaque para o "Pantufinha" (nome carinhoso dado pelos conimbricenses aos troleis, por não fazerem barulho) que ia a passar A igreja de Santa Cruz ainda continuava num nível inferior ao da Praça.

  • 3ª foto - A Praça, na actualidade, vista do mesmo sítio. Actualmente, para entrar na Igreja de Santa Cruz sobem-se 2 degraus. O muro em frente mostra-nos a altura anterior da praça. Desapareceram as palmeiras, surgindo, do lado direito, um lago com repuxos.

  • 4ª foto - O lago refrido no comentário anterior.

  • 5ª foto - Mostra-nos o lado contrário da Praça, sendo visível a rua da Sofia e o edifício da Caixa Geral de Depósitos, muito ao gosto da arquitectura do Estado Novo.

  • 6ª foto - Fotografia de um postal do início do século XX, mostrando a Câmara Municiapal, construída em terrenos que haviam pertencido ao Mosteiro de Santa Cruz. No centro, ao cimo, figura o brasão da cidade, de que já aqui demos conta, com as imagens esculpidas ao contrário (foto 7).

15 comentários:

Lu disse...

Lembro-me dos troleis. É uma pena que certas coisas acabem.
Muitas mudanças, umas para melhor outras para pior. Eu não gosto do "lago", acho que ficava melhor um pequeno jardim.

Um abraço Tozé.

Jotabê disse...

Antes de mais agradeço a tua visita.

À primeira vista e de fugida reconheço este teu blog como um local bastante interessante. Voltarei com mais tempo, especialmente atraído pela parte gastronómica. Houve ali um post que me chamou à atenção, referes-te a Santiago de Compostela, eu já fiz a rotas dos caminhos de Santiago de mota com amigos, e explorei bastante aquela zona, desde a Corunha litoral até à zona dos Picos da Europa, é sem dúvida uma das zonas de Espanha que mais me atrai. Claro que tenho de ler o teu post com mais atenção.

Abraço

al cardoso disse...

Excelente memoria colectiva, que aqui nos deixa!

Um abraco de amizade e bom fim de semana.

Mina disse...

Coimbra de mil amores, linda cidade :)
Obrigado pela visita!
Bom fim de semana!

greentea disse...

hist´rias e sabores de outros tempos e de outras rotas ando a lê-las , escritas por alguém que foi daqui a pé até Roma ...

bjimhos

asn disse...

Um tema interessantíssimo, tozé.
Conseguir uma reportagem sobre o aspecto visual do mesmo local em épocas diferentes e conseguir relacionar o seu enquadramento histórico/social é uma maravilha.
Um abraço
António

Moura disse...

Acabo por ser do tempo dessas coisas todas... já estou a ficar "cota"!!! E enquanto frequentei a Universidade acabei por participar em inúmeros congressos que tiveram "comeretes e beberetes", chamados "Porto de Honra", vá se lá saber o motivo, no claustro de Santa Cruz. Bons tempos...não perdia um congresso e principalmente os referidos momentos sociais!!!
Um abraço

Cris disse...

Tenho muito a aprender contigo amigo :-) tu gostas mesmo do que fazes, nota-se à légua :-) e é giro vires falar de espaços que nos são tão caros (nem de propósito- Santa Cruz, não és nada "tendencioso", eheheh). Não sei se já te disse, mas História era uma das minhas disciplinas preferidas, é uma pena que a minha meória seja actualmente miserável, mas sempre me fascinou, sobretudo a da Antiguidade Clássica e das civilizações pré-cristãs (delirei, por exemplo, quando visitei a parte da arte egípcia do British Museum, em Londres, e espero vir a conhecer a do Louvre!).
Obrigada pela dica que deixaste na minha estrela- aposto que sabes muito mais coisas que eu no que respeita à divindade feminina na chamada pré-história (estou a lembrar-me daquelas Vénus bem gordinhas, símbolos de fertilidade :-)- se eu meter o pé na argola podes puxar-me as orelhas, vale?
Ainda ando perdida em operações de cosmética na estrela, mas já aprendi muita coisa à minha custa e dos meus tendões :((-até já tenho música e tudo!Uau! Copiei a tua ideia na mesma fonte:). Acho que agora vou parar um bocadinho com a "estética" (a vespertina já está "apresentável") e dedicar-me mais ao conteúdo informativo. No fundo é como se tentasse fazer poesia com imagens, palavras e músicas...eu disse "tento" não quer dizer que consiga;)
Jinhos e bom fim de semana!

Cris disse...

A minha cabeça...eu não digo que ando desmemoriada...? Eu já visitei a Quinta da Regaleira com o ex namorado há uns 5 anos (o tempo voa, safa...)- foi numa bela noite de Verão e assistimos a uma representação da Flauta Mágica de Mozart (salvo erro- a dos papagenos;)- ainda desci a um poço, mas não me lembro dos pormenores, tenho de voltar lá de dia :))
Obrigada uma vez mais!
bjocas

Professora disse...

As nossas cidades estão a perder as marcas culturais que lhes davam o cunho da època.

Um abraço

Joaquina

cacharel disse...

Olá Tozé!
Gratificante esta partilha.

Beijinhos e bom fim de semana*

Teresa David disse...

É sempre gratificante e curioso este jogo do "descubra as diferenças" entre imagens separadas no tempo. Muito giro.
Bjs
TD

Segredos da Esfinge disse...

Tozé,
Vim agradecer as "Palavras" e estou encantada com a aula de história e cultura.
Vou retornar muitas vezes para aprender muito mais.
Abraços

Nuno disse...

Eu ainda me lembro de ver o trânsito passar na Rua Ferreira Borges, que ia dar à Praça 8 de Maio. As palmeiras lá existentes já não fazem parte das minhas memórias, mas acredito que ficassem bem melhores do que um simples lago com repuxos!

Um abraço,
Nuno.

Pisces Girl disse...

Recordar é viver! É sempre bom ver fotografias antigas da minha cidade.