domingo, 17 de dezembro de 2006

Natal (enquanto é tempo)


Resolvi interromper a volta que andava a dar pelo interior de Portugal, para postar duas fotografias do presépio que, este ano, resolvi fazer, no pequeno jardim que tenho em frente a casa.
Perguntarão as pessoas que se dignam ler este blogue: Mas porquê interromper o roteiro da viagem ao interior para postar fotografias de um presépio?
Pois eu digo-vos. Faço-o por dois motivos:
Em primeiro lugar porque é Natal. Em segundo, porque, com esta mania que começa a chegar a uma Europa que parece envergonhar-se da sua história, um dia destes, em nome do politicamente correcto, proibem-nos de fazer o Presépio, não vamos ofender algum vizinho. Gostaria de esclarecer que tenho o maior respeito pelas outras religiões e que estaria na primera linha de combate para que os seus fiéis tivessem liberdade de culto, se isso fosse proibido.
Curiosamente, ou talvez nem por isso, não são os crentes não-cristãos que, em Portugal, se têm manifestado a favor da abolição das celebrações do Natal.
Todos sabemos que há grupos de pressão, que se afirmam laicos e republicanos (não sabia, mas deduzo agora, que não se deve poder ser monárquico e laico...) que defendem a abolição das celebrações religiosas cristãs, especialmente as católicas, apregoando aos sete ventos que o fazem para que não se ofendam os não-cristãos.
Estas subtilezas de linguagem dão-me vontade de rir porque, na sua superioridade intelectual, falam em nome de quem não lhe encomendou o sermão, cobrindo-se de ridículo. Já houve alguém que mandou neste país durante longos anos, alegando que sabia o que é que era bom para nós, com os resultados que todos conhecemos. Iluminados!...
Digam-me uma coisa: para não ofender os não-crentes e não-cristãos, é lícito ofender, por exemplo, os professores. Eis o exemplo: A Associação República e Laicidade crítica a representação do Nascimento de Jesus nas escolas, mesmo como facto histórico, alegando, e passo a citar, "Quantos professores estarão habilitados para trabalhar, para analisar e para aprofundar com as crianças que têm sobre a sua tutela pedagógica, as questões que aquele simples auto pode facilmente sustentar?" Mas os professores são assim tão ignorantes? Só faltava mais esta afronta a uma classe que ultimamente tem padecido os ataques que todos conhecemos.
Chega-se ao ridículo de, em certas escolas, se proibirem enfeites de Natal, ou alusões a qualquer temática religiosa cristã para não se ofenderem os não-cristãos. Então e as comemorações do Halloween, também não deviam ser proibidas? Feitios...
E, já agora, se quiserem ser coerentes, acabem com os feriados religiosos, não vá alguém ofender-se. Acabem também com o feriado da Restaração da Independência, não vá o embaixador de Espanha ficar ofendido e apresentar alguma reclamação ao Minsitro dos Negócios Estrangeiros de Portugal.
Quando um país se esquece da sua história, costuma-se dizer que é um país sem futuro. Pois à sombra da laicização forçada que estamos a fazer, é isso que nos espera. Se não estivessemos no século XXI, diria que estávamos a atravessar os tempos conturbados da 1ª República.
Eu assumo-me como Católico, não me envergonho disso, nem tenho que carregar etrenamente com o peso de todas as asneiras feitas no passado, a coberto da religião e que eu sempre condenei.
Agora não queiram pensar por mim, nem me imponham coisas com as quais não concordo, sobretudo quando essas ideias vêm de pessaoas a quem não recoheço qualquer autoridade para isso. Ainda estou para conhecer o 1º judeu, muçulmano, ou hindu que me diga que acha incorrecto eu celebrar o Natal, que me critique por expor livremente aquilo em que acredito, sem com isso pretender impor o que quer que seja a alguém.
Se o ridículo pagasse imposto, haveria, com toda a certeza, pessoas que já não deviam ter lugar na pele para tantos carimbos...
Haja juízo e bom senso... pois a paciência já começa a faltar.
Um Santo e Feliz Natal, são os meus desejos para todos, cristãos e para aqueles que não o são, com todas as letras e não Festas Felizes como parece ser politicamente correcto, agora.

27 comentários:

Jofre Alves disse...

Passei para desejar boa semana preparatória do Natal e apreciar este sempre interessante blogue, atraente pela qualidade e desvelo inerente. A qualidade de braço dado com o bom-gosto.

NM disse...

Parece que, infelizmente, os sinos natalícios, ao invés de despertarem em nós a atenção focada no outro, via caridade e altruísmo, andam a tanger-nos o íntimo numa dança que não nos deixa exorbitar do triste individualismo cultural, religioso ou outro. E não é só por cá:
"SEATTLE (Reuters) - Seattle airport officials have put back the 14 Christmas trees that were taken down in response to a local rabbi's request to include a giant Menorah in the airport's holiday decorations.

The Port of Seattle, the airport's operator, decided to put back the trees late on Monday after receiving assurances from Rabbi Elazar Bogomilsky that his organization, Chabad Lubavitch, would not pursue a lawsuit seeking to have a Menorah included in the airport's holiday decorations..."
Ficam os votos que sejamos bom Natal para os outros...
Abraço

Anónimo disse...

Oi To esqueci de te mencionar...Obrigado assim k tiver tempo vou ja tratar do assunto ou melhor já :)
Obrigado e um abraço com muitas cores...

elsa nyny disse...

Lindo o teu presépio!!!

Olha estive a ver o teu roteiro pelo interior...lindo também! Ainda não chegaste a Castelo Branco???

Tudo de bom para ti!!!

Isabel Magalhães disse...

Vinha agradecer a visita lá onde solto as rédeas e deparo com este excelente texto que gostaria de ter sido eu a assinar.

Faço minhas as tuas palavras

"Gostaria de esclarecer que tenho o maior respeito pelas outras religiões e que estaria na primera linha de combate para que os seus fiéis tivessem liberdade de culto, se isso fosse proibido."

Bem Hajas.

Um SANTO e FELIZ NATAL na tua casa e no teu coração.

Um beijinho.
I.

Isabel Magalhães disse...

Levei o teu post para um passeio natalício até ao meu blogue.

Beijinho.
I.

Anónimo disse...

Pois eu como Monarquico, Catolico cada vez menos, a tender cada vez mais para as minhas costelas "judaicas", tenho afirmado que a nossa sociedade do "politicamente correcto", esta a levar nossa Europa para um beco que a continuar tera uma saida muito dolorosa.

Todos os povos que se envergonham e nao gostam do seu pasado e das suas tradicoes, nunca poderam gostar dos demais.
A tolerancia e a coisa mais bonita de um mundo em que todos temos lugar.

A fundacao Europeia baseia-se na civilizacao "judaica-crista" nao tenhamos receio de afirma-lo e, nela tambem tem lugar os mussulmanos e outras religioes e ate os "laicos-republicanos" desde que nos toleremos uns aos outros.

Somos livres de ter presepio ou nao, quem nao gostar nao necessita de comer, mas nao estrague a comida.

Boas Festas. Feliz Natal. Feliz Chanukah, Happy Kwanza, Bom Solticio de Inverno.

Nuno disse...

Nos últimos tempos temos assistido a uma diminuição drástica na tolerância às diferenças. Este aspecto que tu referiste, acerca do Natal, é apenas a ponta de um enorme iceberg.

Existe cada vez mais uma aversão àquilo que não é politicamente correcto, esquecendo-se as raízes e as tradições dos povos. Não me parece, de todo, que a celebração do Natal (ou outra qualquer celebração religiosa) seja um atentado a quem quer que seja! Por uma questão de coerência, seria sensato abolir todos os feriados religiosos e outros, e os fins-de-semana deveriam passar a ser dias iguais aos restantes, para não haver uma descriminação entre o Sábado e Domingo e os outros dias.

Parece que, cada vez mais, a sociedade se encaminha para um padrão, onde aquilo que é diferente do que é imposto é uma aberração e um alvo a abater. São tomadas medidas absurdas, algumas difíceis de entender. Não será antes o egoismo a falar mais alto? No fundo, parece que é disso mesmo que se trata, como se nós é que fossemos bons e os outros só têm que aceitar o que nós achamos!

Será que há cada vez menos espaço para a diferença? É que eu sou contra as massas... A ver o evoluir da coisa, ainda sou capaz de me vir a dar mal!

Um grande abraço,
Nuno.

Lúc poems disse...

A tua escrita contém evidências importantes, nas quais nos devemos debruçar um pouco ou mesmo muito...
Deve existir respeito por todas as religiões. Quem tem tradição, desde que não incomode o outro pode seguir o seu caminho! A questão do hallowen foi uma boa "metáfora".
Não sei se ja leste Dan Brown- "Anjos e Demónios". É um livro entusiasmante, com aspectos interessantes, que permitem alargar horizontes e que nos permite ao mesmo tempo encarar a religião com os seus defeitos e virtudes! Aprendi algumas coisas com ele!
Gostei do presépio e da idéia de o colocares aqui!
Santo Natal e Feliz Ano Novo!

Alisson da Hora disse...

Gostaria de parabenizar-te pelas reflexões... A medida que usa para regular as relações humanas cada vez mais se guia pelo rídiculo de uma sociolingüística estúpida que prima pela proteção a algumas minorias que muitas vezes não pede tal proteção, ou por outras minorias - poderosas estas - que, utilizando dos falsos subterfúgios do respeito e da liberdade de expressão - que elas mesmas tolhem - para praticar o engodo e a balela como formas de dominação.Embora eu seja adepto da idéia da educação laica não creio que caiba ao Estado que se diz de Direito (mas acaba sendo de Direita,em qualquer parte do mundo,quando quer até dizer como o indivíduo tem de ser expressar) coibir as manifestações espirituais de um povo.E a memória desse mesmo patrimônio espiritual? Ficará perdida em alguma encruzilhada do tempo, como relíquia a alguns poucos que tiveram a sensatez de não se guiar por esses falsos conceitos de respeito e diversidade?Eu sou judeu, comemorarei o meu hanucá, mas abraço a todos os meus amigos cristãos que cultivam a doutrina de piedade e de amor do Mestre Jesus. Que os presépios se multipliquem, que as luzes se acendam e iluminem as imensas trevas de ignorância que uma estúpida simplificação lingüística e de costumes parece querer que se desabe sobre nós...

abraços

a.h.

Badala disse...

Feliz Natal. Adorei o teu presépio. Quando vivia na minha aldeia, a 8 km de Coimbra, era eu que fazia o presépio lá em casa. Agora já nem lá há musgo devido ao incêndio.

Não sabia que já existia tanta falta de tolerância ( até nas escolas ) para a celebração do Natal. Entristece-me. O Natal é uma celebração de amor, que todos devem exprimir, consoante o sintam. Não deve haver regras para demonstrar felicidade e alegria.

Beijinhos.

bettips disse...

Muito nos contas, amigo! Então "aprofundar" o sentido e o inerente subconsciente do Presépio? Que esquisitice, não sabia que a "intelectualidade" andava assim desgovernada! E leite para as crianças, há? Ou terão de explicar o código genético das vacas? Que ridículo.
A nossa liberdade acaba...onde a do outro começa, não é?
O teu post é um libelo contra a intolerância e incultura. Acho lindo o teu presépio no jardim, cada vez mais cultivar o que é Belo e Bom... e olha que eu até nem "sou lá muito" de natais e consumismo. Não nos "sequem" todos os sonhos e sim, aproveitemos ter essa liberdade, ainda. Cá estarei para os teus passeios e comezainas tradicionais. Fica BEM no teu tempo festivo. Um abraço

Morgaine disse...

Apoiado

João Xavier disse...

Vejo-me forçado a sair da anónima e atenta visita a este espaço para um breve comentário comunitário. Um texto destes não deixa ninguém indiferente!
De facto, vivemos tempos em que, sob a égide da aldeia global, somos apelados, consciente e inconscientemente, a calar envergonhadamente a nossa identidade e a formatá-la por um modelo que, para ser de todos, não é de ninguém. O “politicamente correcto” tem sido entendido, por quem (nos) manda, como um convite à mesmidade e ao amorfismo, uma necessidade de redução aos denominadores comuns em nome, imagine-se, da tolerância intercultural e religiosa. Ora, a imposição política dessa suposta neutralidade cultural e religiosa como condição de possibilidade da tolerância e do diálogo intercultural é uma doença da sociedade pós-moderna em que vivemos, uma reacção alérgica aos totalitarismos, e, ao mesmo tempo, uma esquizofrenia totalitarista que não faz imposição menor ao impor a não imposição.
Contribuir-mos para o diálogo intercultural e religioso é, antes de mais, assumir o que em nós difere ou diverge, sem hipocrisias ou vergonhas. A tolerância só pode ser fundada na assumpção livre das diferenças, não no seu esbatimento ou relativismo: todos diferentes, todos iguais nessas diferenças!
Obrigado, amigo Tozé, por este teu grito de inconformismo e por este teu apelo ao que é próprio e legítimo.

greentea disse...

está lindo o teu presépio de rua!!

Recordo sempre um local aonde a minha mãe nos levava sempre : um presépio em movimento com água a correr e figuras q se moviam feito pela GNR do Quartel do Carmo em Lisboa. E também os Presépios do José Franco , em Mafra...

Não misturem as coisas, porque o presépio é um simbolo dum renascimento que ocorre em cada ano, de um projecto de vida renovado, dos votos de análise e mudança que todos deveriamos fazer qd um ano termina e outro começa, tal como os antigos faziam na noite mais longa do ano - o solsticio de Inverno - expressando o inicio de um novo ciclo de vida!

Quanto ao respeito pelas outras culturas e religiões fico por vezes espantada qd numa classe de primária os alunos q andam na catequese descriminam os q não andam - foi necessário a professora intervir e explicar ou quando num Instituto Superior Técnico em Lisboa um aluno muçulmano pede para lhe ser adiado o teste/exame marcado para sábado porque a sua religião não permite fazer exames nesse dia. Mas duvido que algum catedrático aceitasse uma aluna de burka a fazer exame de uma qualquer disciplina...(quem estaria lá por trás ?)
Ainda esta semana postarei sobre o assunto. Um abraço...de re-nascimento

Joao Vieira disse...

.
Amigo Mestre,

Julgamos não serem necessárias mais palavras...

Vamos continuar todos a AGIR!!!

Assim, e apesar das dificuldades técnicas com que nos debatemos (e do conhecimento de V.Exª.),
vimos convidar todos a uma visita a...

http://apoio-ao-estudo.blogspot.com/

Um Abraço

** sean paul** disse...

Estão muito giros os presépios!!!

Beijos

BOM NATAL!!!! ;)

Anónimo disse...

Um grito de REVOLTA!
E de AFIRMAÇÃO!
Que eu me disponho a ampliar, a juntar a minha voz a todas as que, como o Tozé, se manifestam com esta veemência! Que se pressente que tem a FORÇA incontida das coisas que vêm do nosso íntimo, das nossas convicções. Pelas quais estamos disponíveis para LUTAR.
Pena é que os ouvidos ABSOLUTISTAS, sejam monárquicos ou REPUBLICANOS, estejam surdos!
Pois quê, quer-se fazer uma nova cruzada, agora com a cruz voltada ao contrário?
VIVA a LIBERDADE!...
Abaixo a prepotência absolutista!

Anónimo disse...

Bonito presépio e texto super interessante. Os comentários são verdadeiros posts...que me deixam sem palavras para comentar!!!
Parabéns pela reflexão que "problematiza" o Natal e a sua comemoração. O que é preciso é "problematizar"...
Um abraço

foreveryoung disse...

Eu não tenho qualquer tipo de religião, mas concordo plenamente contigo!!!
E acho k as fotos do teu presépio estão muito bonitas!e que deevs falar e mostrar abertaemnte aquilo em que acreditas e que realemnet faz parte da história do nosso país!...
Bjs

manuel maria disse...

Bom Natal também para ti...
Quanto ao post... tens razão. Nao há pior que ter vergonha da nossa pópria identidade.
Muitos doces! cuidado com a vesícula.
Abraço

butterfly disse...

Foi através de outro blog que vim aqui parar.
Gostei muito do texto.
Numa altura em que só se fala em ódio, guerra,... é bom conhecer gente que sabe o que quer, respeita as diferenças e carrega, creio eu, muita paz no coração.
Obrigada e um santo Natal

manuel neves disse...

Viva!
Lindo Presépio, assim se começa o espirito de Natal.

Um texto de respeito! Não poderemos todos partilhar as nossas tradições uns com os outros?! E porque não?! Não somos verdadeiramente irmãos?!

As raízes da Europa apesar de judaica-cristãs não poderão ser inibidoras de um espaço aberto a todos. E quando refiro a todos, é mesmo a todos! Independentemente da crença ou da raça, num espaço solidário entre iguais. Será que estes super-cerebros não conhecem palavras básicas como: Tolerância?!

Não quero viver numa Europa que esquece a todo o momento as suas mais nobres referências. Com os alicerces do passado iremos construir um futuro melhor, para nós e gerações vindouras. Quero acreditar!...

Um Abraço Amigo
Um Santo Natal

Anónimo disse...

Ficou lindo o teu presépi, Franco.
DEixo-te aqui os meus desejos de um bom Natal e Felicidades para futuro ano.
Beijoca ;***

greentea disse...

bons dias , com SOL

um abraço

A Sonhadora disse...

Tozé, venho desejar-te um Natal com muita paz , harmonia e alegria, e agradecer-te as passagens pelo meu cantinho
Uma beijoca e abraço da sonharoda

gaivota disse...

Quem escreve assim sabe o que diz e afirma. Melhor, não diria eu. Concordo com tudo o que com vertacalidade e politicamente correcto aqui deixou, para que os que passem por este belo espaço, leiam e tirem as suas conclusões.
Desejo do fundo do coração, que continue a escrever sempre o que pensa e a ter força para em todos os anos da sua vida, fazer lindos presépios, no seu jardim, ou e casa e também continue a escrever sem perder a sua coerência!
Feliz Natal e que o Ano Novo seja Próspero em tudo o que deseja.
Beijos no seu coração

Chicailheu.