quarta-feira, 6 de dezembro de 2006

Trancoso

Entradas na Área Benta
Sardinhas Doces de Trancoso
Entrada da cidade de Trancoso
Estátua de Bandarra
A segunda paragem ocorreu em Trancoso, até porque já ia sendo hora de almoçar.
Estacionámos o carro junto à Câmara Municipal, ao lado da estátua de Bandarra, que terá nascido numa das casas da parte velha da cidade. Sapateiro e profeta, ainda hoje citado pelo povo com foros de autoridade indiscutível, profetizou, nas suas trovas, a perda da liberdade e a restauração da Independência. Finalmente está encontrado o responsável, digo eu, por essa característica tão portuguesa: o sebastianismo.
Resolvemos aconchegar o estômago no restaurante Área Benta* onde, num ambiente magnífico, almoçámos divinamente, o que até tem alguma relação com nome.
Aconchegado o estômago e aproveitando uma pausa da chuva, fomos passaer um pouco. O ar medieval da cidade de Trancoso acolhe-nos quando percorremos as vielas ladeadas por portões biselados e paredes com mísulas. Despertam a atenção as casas de duas portas, uma larga e outra estreita, denominadas as judiarias de Trancoso. Os judeus povoaram a antiga vila e transmitiram aos seus descendentes o carácter comercial que lhes era típico.
A história de Trancoso anda profundamente ligada à de Portugal. Situada próximo da fronteira, a terra assistiu a diversas lutas e acontecimentos marcantes.
Em 1097, Trancoso passa para o Condado Portucalense e em 1159 está comprovada a existência do castelo. No ano seguinte o castelo de Trancoso é definitivamente reconquistado por D. Afonso Henriques que lhe concede foral. Em 1282 é reedificado por D. Dinis que faz construir a cerca muralhada.
O rei D. Dinis escolheu esta terra para celebrar o seu casamento com a rainha Santa Isabel. O acontecimento deu-se em 1282, na Ermida de S. Bartolomeu.
Ainda hoje a batalha de S. Marcos, travada em 1355 e percursora de Aljubarrota, continua a ser comemorada em 25 de Abril de cada ano.
O Castelo, qiue já referimos atrás, está isolado a Nordeste sendo antecedido por um pequeno largo com um cruzeiro. Infelizmente também estava fechado, assim como todas as igrejas que tentámos visitar.
Talvez por ser fim-de-semana e haver muita gente para visitar monumentos, os mesmos estejam fechados para evitar a degradação. Talvez! Os turistas são uns chatos, que contribuem para o desenvolvimento da economia local e dão trabalho a quem trabalha nestas coisas. São, portanto, de evitar. Estou a começar a prender a lição. Pode ser que tenha mais sorte nas localidades seguintes. Veremos...
Perante tantos monumentos fechados decidimos ir afogar as mágoas à Pastelaria “O Trovador” onde comemos as famosas sardinhas doces de Trancoso, que deram excelente conta de si, pois estavam deliciosas.
Eis a História e a receita das sardinhas:
As irmãs do Convento de Santa Clara, em Trancoso, eram detentoras de autênticas especialidades a nível de doçaria, como as morcelinhas de amêndoa, o folar da Páscoa, o bolo doce que acompanhava o queijo de ovelha amanteigado, as cavacas e a bola de folhas.
Para além destes doces o mais famoso é sem dúvida as tradicionais Sardinhas Doces de Trancoso, sem escamas, nem espinhas e com tripinhas de amêndoa.
O Convento de Santa Clara iniciou-se com 4 irmãs e estas, para poderem sobreviver, começaram a fabricar os doces acima mencionados.
Após a morte das outras irmãs, Maria da Luz, conhecedora da receita da Sardinhas Doces de Trancoso, recusou-se a divulgar o segredo da receita. Porém, alguém pertencente ao convento, após a morte da irmã, revelou o segredo.

Ingredientes:
Para a Massa:
475 g de farinha de trigo
60 g de banha
sal fino2
dl de água
Para o Recheio:
200 g de miolo de amêndoa
350 g de açúcar
12 gemas
azeite fino
açúcar e canela para polvilhar.
Preparação:
Peneire a farinha e uma pitada de sal fino para dentro de uma tigela. Junte a banha e misture com as pontas dos dedos. Gradualmente acrescente água, sem parar de amassar como se fosse pão. Tenda uma bola e deixe levedar durante 30 minutos.
Pele as amêndoas e moa-as. Leve ao lume um tacho com o açúcar coberto de água. Deixe ferver até a calda atingir o ponto de pérola. Adicione o miolo de amêndoa e apure mexendo sempre. Deixe amornar. Acrescente as gemas batidas. Misture e leve de novo ao lume sem parar de mexer até o doce fazer estrada. Deixe arrefecer completamente.
Estenda a massa e espaçadamente, disponha porções de doce de amêndoa. Dobre, tapando o recheio, corte-a com uma faca, e frite em azeite.
Polvilhe com açúcar e canela... e coma. Muitas, de preferência.
* Restaurante Área Benta, Rua dos Cavaleiros, 30A, 6420-040 TRANCOSO

13 comentários:

Pirate disse...

As trovas do Bandarra são lendárias...
Pelos vistos a gastronomia de trancoso é um must ! e então se for bem regada com um Porca de Murça tinto ou Duque de Viseu tinto tranforma-se numa ceia verdadeiramente divina :-)

caminante disse...

Bonita villa Troncoso.
´Las Clarisas, además de muy rezadoras, fabrican cosas ricas que gustan. Y, así, viven de su trabajo.
Un fortísimo abrazo.

redonda disse...

Gostei muito do texto, mas as primeiras fotografias deram-me fome! Não seria possível enviar algumas dessas sardinhas doces?

Mixikó disse...

Bela viagem...obrigada

Rosario Andrade disse...

Bom dia!!!!
...sardinhas doces! soa estranho, muito estranho mesmo! So estive em Trancoso uma vez, para assitir a um casamento. Nao tivo oportunidade de experimentar tal iguaria... da proxima ja sei...
Bjicos

Badala disse...

Que tendência para nos abrires o apetite e já são quase horas de lanchar!!!
Bom fim de semana.

Isabel Magalhães disse...

Cheguei aqui vinda de outros caminhos... :)


Fiquei com fome...

e fiquei cliente.



Bom fim de semana alargado.
I.

Jofre Alves disse...

Ozé Franco: das páginas que mais gosto de visitar, ainda para cima hoje com acrescidos motivos de interesse. Passei para apreciar e desejar bom fim-de-semana, e por isso vou daqui saciado. Até breve.

Lúc poems disse...

Dois comentários: Monumentos fechados??... Muito chato...
Sardinhas doces? Hum... pena a net ainda n dar para cheirar pelo menos como serão! Cumprimentos!

bettips disse...

Uma composição perfeita, passeio, foto, explicação e comidinha. Já tinha lido do "milagre das rosas" no teu post. Obg amigo!

Maria disse...

Às vezes parece que viajo só com o olhar... é isso, viajo com o olhar.
Mas quando vejo as fotografias dos pratos que postas, começo a salivar e apetece-me ir logo a seguir a Trancoso, neste caso.
E já tive uma viagem preparada há uns 15 dias, que "borregou!...
Continua a mostrar-nos essas maravilhas, tozé.
Obrigada e um abraço

Anónimo disse...

Bem haja pelo roteiro e pela receita.

Anda por la perto!!!

Um bom fim de semana.

DIAFRAGMA disse...

Espantoso este Blog.
Obrigado pela visita e sobretudo por mo teres dado a conhecer.