quinta-feira, 26 de julho de 2007

A Ponte-Açude de Coimbra

A Ponte-Açude
A Ponte-Açude (a grelha abastece o canal de rega da margem direita)
A Ponte-Açude vista do Forum
A Ponte do Modesto (ficava na zona da Ponte-Açude)
Nora erguida no Verão na mesma zona
Em 1977 iniciaram-se as obras do projecto hidro-agrícola da bacia Mondego. Nas obras previstas incluía-se a construção do Açude-Ponte entre a zona do Almegue (margem esquerda) e o início do Choupal (margem direita).
Com a sua construção, a cidade de Coimbra passou a beneficiar de um lençol permanente de água a seus pés, contribuindo ainda, com a Barragem da Aguieira, para a regularização do caudal do Mondego evitando, deste modo, as cheias catastróficas a que o baixo Mondego estava habituado.
Apesar disto, estão ainda vivas as imagens das cheias de 2002, ano em que nenhuma destas obras foi capaz de impedir uma das maiores cheias que me lembro. O Açude-Ponte com uma capacidade máxima de descarga de 2000 metros cúbico por segundo chegou aos 1900.
Com a construção do Açude-Ponte foi ainda possível executar os canais de rega, que correm paralelamente ao rio, sendo vísiveis, na segunda imagem, as aberturas por onde passa a água.
Além disso é ainda uma importante obra rodoviária, capaz de desviar uma parte significativa do trânsito, que apenas de passagem por Coimbra, deixa de atravessar a Avenida Fernão de Magalhães.
Pena é que a sua construção quase tenha posto em causa a mata do Choupal, devido ao abate de muitas árvores e ao facto de ao baixar o nível das águas a jusante, este facto ter provocado uma mortandade entre as árvores mais velhas, cujas raizes foram incapazes de se expandir em busca de água. Ao todo, calcula-se que mais de 5000 árvores tenham perecido.

12 comentários:

Mari disse...

Tozé,

Amei o teu blog. Não conheço Portugal, quem sabe um dia. Uma música que ouvi muito, fala de Coimbra e tenho lembranças de criança...

Coimbra (Roberto Carlos)

Coimbra do choupal
Ainda és capital
Do amor em Portugal, ainda
Coimbra onde uma vez
Com lágrimas se fez
A história dessa Inês tão linda
Coimbra das canções
Coimbra que nos põe
Os nossos corações, à luz...
Coimbra dos doutores
Pra nós os seus cantores
A fonte dos amores és tu.
Coimbra é uma lição
De sonho e tradição
O lente é uma canção
E a lua a faculdade
O livro é uma mulher
Só passa quem souber
E aprende-se a dizer saudade.


Abraços

Mari

Pitanga disse...

Tozé obrigada pelas palavras e acolhida. E o carrossel volta a girar.

abraços

al cardoso disse...

Que pena o choupal ter ficado sem essa enorme quantidade de arvores!!!

olho_azul disse...

O progresso tem o seu lado negativo... Mas não é só em Coimbra que se "matam" as nossas matas", infelizmente.

Um abraço

Professorinha disse...

A vista do forum à noite também é magnífica!!!

Fica bem

AnaG. disse...

É sempre agradável a visita ao teu espaço. Fico a saber coisas que não sabia e regalo-me com as fotografias da cidade que mais gosto.

Bom fim-de-semana.
Beijitos

A COR DO MAR disse...

Ola Toze, so agora faço umas visitas ...
Muito bom ver sempre este teu blog tão original. Esse lugar de coimbra é lindo.
Deixo-te um beijinho e voltarei (daqui a um tempinho) - mas nao ficas esquecido ;)

Beijinho grd*

Mário Franco disse...

'A ponte é uma passagem...para a outra margem...'- Jáfumega

As pontes apróximam tudo e são das coisas que mais fazem progredir os meios envolventes.
O que seria a margem sul sem a '25 abril'? Um deserto?

aminhapele disse...

Estou de regresso.
Tinha que "passar" por aqui.
Um abraço.

aminhapele disse...

Estou de regresso.
Tinha que "passar" por aqui.
Um abraço.

asn disse...

Agora é que vão ser férias!?
Uff!
Finalmente.
Por meu turno, andei uns dias por Castanheira de Pera, mas soube a pouco.
Vamos lá a ver se na segunda quinzena de Agosto me safo.
Coimbra cheia de história e histórias de encantar e fados para cantar. Aquele choupal!...
Um abraço
António

Maria disse...

É uma pena a mortandade das árvores. Mas eu gosto destas pontes velhas, de madeira....

Boas férias, se for já caso disso...

Um abraço