quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Laicidade e bom senso.

Em primeiro lugar, quero pedir desculpa a todos aqueles que se possam ofender com a imagem que escolhi para colocar neste post.
Como sabem, vivemos num país em que nos ofendemos com muita facilidade e, por isso, nada como começar por pedir desculpa às pessoas mais sensíveis que por aqui passam.
Já agora uma explicação: coloquei aqui um crucifixo antes que, por ordem de meia dúzia de fundamentalistas iluminados da nossa praça, me seja proibido exibi-lo, uma vez que a internet se trata de um espaço público.
Adivinho já que, daqui a meia dúzia de anos, sejamos todos muito mais tolerantes e menos traumatizados por, nas escolas, termos sido expostos a tão cruel imagem.
Haja paciência que, pelos vistos, quando Deus distribuiu o bem senso, deveria haver algumas pessoas muito distraídas. E ainda por cima, agora, estão convencidas da sua superioridade moral em relação às outras que tratam como se fossem incapazes de discernir o que quer que seja.
PS: Já agora defenderão essas pessoas a obrigatoriedade de usar determinado tipo de roupa quando vamos a certos países para respeitarmos os valores locais. Ou julgarão a dsituação da forma que neles é mais habitual, isto é, dois pesos e duas medidas?
Passem bem.

8 comentários:

Joaquim Baptista disse...

Qual é o seu melindre?

Tozé Franco disse...

Caro Joaquim Baptista:
O meu melindre é zero pois sempre me habituei a respeitar os outros e as suas convicções religiosas e acredite que convivo com muita pessoas de outros credos. Não me parece que a liberdade passe por este tipo de coisas. Mas isto sou eu a dizer....
Um abraço.

aminhapele disse...

Claro que não ofende ninguém,nem precisa de pedir desculpas.
Ainda por cima,o crucifixo que escolheu é lindo.
Desde criança,tive o crucifixo e o retrato de um figurão na sala de aula.Nunca me incomodou,nem incomoda.
Aprendi a respeitar os outros,regra básica para ser respeitado.
Sou insuspeito de "alinhar" no retrato do figurão.
Poderei ser suspeito por ser cristão.
Por vezes,o fundamentalismo de "reguladores" incompetentes provoca problemas que não existem.

Capriccio disse...

O crucifixo é muito bonito, não deveria incomodar ninguém, deveria-se respeitar todos os símbolos de bem.

P.s Tenho um post... da janela da minha cozinha vi...

Abraço :)

EDUARDO POISL disse...

Hoje passando para te ler e desejar um lindo final de semana com muito amor e carinho

"É melhor tentar e falhar, que preocupar-se e ver a vida passar.
É melhor tentar, ainda que em vão, que sentar-se fazendo nada até o final.
Eu prefiro na chuva caminhar, que em dias tristes em casa me esconder.
Prefiro ser feliz, embora louco, que em conformidade viver..."
Martin Luther King

Abraços com todo meu carinho

tulipa disse...

Olá ToZé

Vim agradecer-lhe o facto de se tornar "seguidor" do meu "Momentos Perfeitos" e aproveitei para espreitar mais uma vez o seu espaço na blogosfera.

Vejo pelos seus posts que temos alguns temas iguais que gostamos de fotografar.
Sou uma apaixonada por fotografia. Este ano de 2009 já realizei 3 exposições e vou a caminho da 4ª exposição de fotografia, agora em Novembro, em que o tema é a Índia.

Tudo isto é magia, porque a magia pode estar apenas num sonho, num local, em nós ou nos outros… pode estar no amigo que nos cumprimenta, no abraço ou no enlace… no corpo ou na alma… nos olhos, no rir ou na lágrima… a magia é o que quisermos que ela seja…

Obrigado e seja feliz.
Um abraço.

tulipa disse...

Quanto ao tema do post, claro que não ofende ninguém, nem precisa de pedir desculpas.

Eu nem me dava ao trabalho de dar tantas explicações, está tudo maluco neste país...

Skysurfer disse...

Não resisto a comentar.
Como Professor me ensinou que através da história podíamos aprender muito sobre o nosso futuro e a maneira de o construir. Tenho pensado muito no tema deste post.
No passado, por erro humano perseguiram-se aqueles que eram olhados como infiéis, erro pelo qual Papa João Paulo II vem publicamente pedir desculpa, embora não o precisasse de fazer, assim como o autor, pede desculpa antes de escrever. Acto que revela duas coisas respeito, preocupação e apreço por quem tenha opinião diferente.
Bem, deixo uma pergunta: não vivemos agora um tempo de perseguição desta vez contra os que se dizem crentes? Pelo menos eu vou sentindo isto…
Cumprimentos, Ivo