quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Já vamos a Santos...

Fernando de Bulhões (Santo António para os amigos) pregando aos peixes
Pensei voltar, hoje, às fotos de Coimbra antiga.
Mas...há sempre um mas...
Então não é que hoje é notícia o facto do governo ter emitido uma recomendação (ou será uma ordem?) às escolas para que deixem de ter nome de Santo ou qualquer referência religiosa na sua denominação.
Mais uma vez o argumento é o habitual, isto é, não ofender os não cristãos e, em alguns casos, também os não católicos. Lá vem a pretensa laicidade do Estado quando, afinal, me parece ser muito mais do que isso.
Ao abrigo destas novas correntes pretende-se, segundo o meu ponto de vista, apagar qualquer vestígio religioso do nosso dia a dia, reescrevendo a História, apagando dela personagens de inegável valor histórico e parte da nossa identidade.
Onde é que eu já vi isto? Não foi Afonso Costa que pretendia acabar com a religião em 2 gerações e depois foi o que se viu....
Mas já que a moda é esta, e como acho que as leis são para cumprir, proponho que se vá mais longe...
Por exemplo nenhuma escola deve ter o nome de Pedro Álvares Cabral, pois a chegada ao Brasil significou o que todos sabemos para as populações ameríndias.
Infante D. Henrique? Nem pensar, então o homem subsidiava parte das viagens com a venda de escravos!...
Nomes de políticos? Nem pensar, pois nunca ninguém teve em Portugal 100% dos votos e, por isso, pode alguém ficar ofendido...
Já agora proponho que o 13 de Junho, feriado municipal de Lisboa, passe a ser o dia de Fernando Martim de Bulhões e Taveira Azevedo, pois assim não se irrita ninguém, porque a maioria das pessoas não faz ideia de que esse era o nome de baptismo (oh raio que lá vem outra vez a religião!) de Santo António.
Já estou a imaginar as noivas de Fernando de Bulhões. Já agora umas ameijoas à Bulhão (Bulhões) Pato iam mesmo a calhar na ementa paga pela Câmara, ou melhor dizendo, por nós....
Verdade se diga que o governo não tem medo dos conflitos, pois parece-me que isto vai dar uma grande sarrabulhada, uma vez que, tendo Portugal mais de 4 mil freguesias (4257 em 2004) e cerca de 35% com nome de Santo, já estou a imaginar a confusão que vai ser...
Vivendo eu na freguesia de S. Martinho do Bispo, proponho que a mesma se passe a chamar simplesmente freguesia de Martinho (do Bispo nem pensar!), personagem histórico que tinha a mania de partilhar a sua capa com os pobres, assim uma espécie de antecessor do Rendimento Social de Inserção.
Já agora continuaremos a ter como residência oficial do 1.º ministro, S. Bento, ou mudará de nome? E o Palácio de Belém? Teremos coragem de receber aí um Presidente de uma país com a população maioritariamente islâmica.
Para terminar, haja coragem de apagar do escudo português as 5 quinas, pois referem-se às 5 chagas de Cristo, não vá alguém sentir-se ofendido quando souber o que aquilo representa.
Com assuntos tão importantes para resolver, parece-me um desperdício de tempo tudo isto... a não ser que seja para desviar a atenção daquilo que é realmente importante.

22 comentários:

GK disse...

Isto de facto... Tanta coisa que precisa de revisão séria, foram lembrar-se disto! Enfim...
BOM ANO!

Maria disse...

Há gente que, não contente por não saber governar, gosta de ser ridícula...

Abraço

citadinokane disse...

Tozé,
Gostei! Se for para radicalizar que se corte na carne... ahahaha...
Feliz 2008!
Abraços professor,
Pedro

Teresa David disse...

Sempre achei que mexer nas tradições e história era coisa sem sentido, e, realmente, há tanta coisa realmente importante para fazer neste País...
Bjs
TD

Gata Verde disse...

Bravo!
"Eles" vão recuar,vais ver!

Beijinhos e um bom fds

La Hija de Zeus disse...

Saludos desde Venezuela..

un abrazo

Xico Rocha disse...

Meu amigo, a isso dizemos procurar sexo em anjo.
Com tantas coisas importantes a fazer, nossos governantes continuam a nos desrespeitar.
Um abraço
Xico Rocha

aminhapele disse...

Aos poucos,as "reformas" vêem-se.
No 1º semestre ainda sairá a regulamentação sobre o peso e altura permitidos:quem tiver menos que 1,80m e pesar mais que 75Kg vai ser impedido de sair à rua!
É o que dá termos um Sócrates "engenheiro"...

Tozé Franco disse...

Cara GK:
Cada um tem as suas prioridades, embora algumas sejam difíceis de entender.
Faz-me impressão alguém querer reescrever a história. Já Estaline o fazia.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Cara Maria:
Se o rídiculo pagasse impostos já tinha a acabado o défice orçamental.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Caro Pedro:
Os radicais (livres) até fazem mal à saúde, pois contribuem para o nosso envelhecimento.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Cara Teresa:
Um povo sem História é um povo sem futuro.
Estou a ficar apreensivo.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Gata Verde:
isto como na Infantaria, nunca se recua. Quanto muito, pode-se dar meia volta e avançar.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Olá Hija de Zeus!
Bienvenida.
Um abrazo.

Tozé Franco disse...

Caro Xico Rocha:
Obrigado pela visita e pela opinião.
Prioridades.
Querem apagar a memória de um povo.
Um abraço e um bom 2008.

Tozé Franco disse...

Caro a Minha Pele:
Estou tramado pois eço 1,79 metros e peso 88 Kg.
Vou ter que emigrar. Quem sabe se não é a minha sorte?
Um abraço.

Sei que existes disse...

Acho que tens toda a razão! Isso parece-me mesmo uma tontice, um despedício de tempo e paciencia, e mais parece ser um motivo pra desviar a atenção daquilo que é realmente importante!...
Beijocas grandes

al cardoso disse...

Estou convencido,que isto e mesmo para abstrair a populacao dos temas realmente importantes.
Francamente esta nem lembrava ao diabo!
O jacobinismo deste (des)governo no seu melhor.
Valha-nos o "Miguel" que foi um arcanjo e e o patrono da minha vila!!!

Um abraco do d'Algodres.

Tozé Franco disse...

Car Sei que Existes:
Partilho a tua opinião.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Caro AL Cardoso:
Eu já deixei de viver em S. MArtinho do Bispo. Agora vivo em Martinho.
Aliás vou iniciar uma petição para acabar com os feriados religiosos,pelo menos para aqueles que se sentem ofendidos com eles.
Um abraço.

Nuno disse...

Também me parece ridícula esta "(des)orientação" por parte do governo! Já agora, mande-se demolir todos os mosteiros, igrejas, capelas, alminhas e tudo aquilo que se refira à religião. Será que assim era possível tornar a sociedade e o mundo actual num mundo melhor para se viver?

Se não têm mais nada que fazer, porque é que não coçam os tomates em vez de se porem com estas ideias sem pés nem cabeça?

Um abraço,
Nuno.

Tozé Franco disse...

Caro Nuno:
Já pensei nisso, mas dava cabo do combate ao défice, pois ficava caro. E como sabemos, as obras em Portugal nunca ficam pelo orçamentado...
Um abraço.