terça-feira, 20 de março de 2007

As pontes de madeira do Choupal.

A Mata do Choupal foi criada com o propósito de oferecer resistência às cheias do Mondego e atenuar o assoreamento provocado pelo Basófias. Simultaneamente, cumpria a função de "repartir as cheias", dispersando a água através de canais que "cortam" o espaço verde na transversal - os chamados valeiros.
Em 1791, o Eng. Padre Estevão Cabral liderou o projecto que permitiu que hoje ali se encontre uma vasta área de Plátanos, Faias, Loureiros e Eucaliptos e Choupos (aos quais deve o seu nome), que albergam a maior colónia nidificante de milhafres da Europa.
O projecto incluiu a construção de um novo leito para o rio que assim foi desviado do chamado rio velho, contactando com ele pelos tais canais.
A fotografias mostra-nos um das pontes existentes para atravessar um desses canais. Não sei se é a primeira, para quem entra no Choupal pelo lado da Ponte-Açude, num valeiro que tinha um lago permanente (os outros costumavam estar secos no Verão) conhecido entre nós como Frigorífico, devido à água fria.
Tinha ainda a particularidade de ter uma nascente onde costumávamos beber água. Bons tempos!
Lembro-me de aí ter tomado, uma vez, banho num dia 28 de Fevereiro. Recordo-me de ter saído da água mais depressa do que entrei. Coisas da juventude...
Hoje, o Choupal atrai muita gente devido ao desporto que aí se pode praticar e ao prazer de poder desfrutar de um amplo espaço verde.
Conseguiu resistir, apesar de tudo, ao rude golpe que sofreu com a construção do Açude-Ponte e do canal de rega, que matou mais de 5 mil árvores.
Esta mortandade deve-se, não só, ao abate de árvoes para a construção do referido canal, como aos vários milhares de árvores que morreram devido ao abaixamento do nível das águas a jusante do Açude-Ponte.

7 comentários:

chanesco disse...

Caro Tozé

O acervo fotográfico que aqui nos mostra é bem o testemunho real de um passado riquisimo.

Abraço

aminhapele disse...

É sempre um grande prazer passar por aqui.
Estou a recomendar a visita aos meus amigos e,alguns,já me agradeceram o endereço.
Um abraço.

Maria disse...

Continuas a presentear-nos com textos e fotos de rara qualidade.

É como se viajasse no tempo, muito obrigada.

=^.^= Tarina =^.^= disse...

Vim deixar um beijinho e agradecer pela musica Angel, que há muito não a ouvia!

Simplesmente maravilhosa!

1 beijo =^.^= tarina

João disse...

Amigo Tozé, ao viajar pelas histórias que acompanham estas fotografias, apetece dizer que o olho revela mais do que a lente pode captar.
Um abraço!

Nuno disse...

Eu envergonho-me de dizer que só fui uma vez ao Choupal (ainda era um miúdo!!!), mas lembro-me perfeitamente desses canais e pontes a que te referes neste artigo. Tenho que lá voltar um dia destes!

Um abraço,
Nuno.

Jofre Alves disse...

Espantosa colecção de fotografias históricas e com história, para mim uma total delícia, na linha do que muito aprecio, pois a qualidade aqui é soberba.