domingo, 10 de maio de 2009

Jesus reformou-se aos 33 anos...

Ando com pouca pachorra para escrever... Não sei se é do trabalho, se é, simplesmente, por falta de vontade. Até já pensei acabar com blogue e dedicar-me à "pesca". A ver vamos.
Talvez por isso vos deixe aqui uma estória enviada por um amigo e que acho apropriada aos tempos que correm.
Aqui vai:
"Naquele tempo, Jesus subiu ao monte seguido pela multidão e, sentado sobre uma grande pedra, deixou que os seus discípulos e seguidores se aproximassem. Depois, tomando a palavra, ensinou-os dizendo:
- Em verdade vos digo, bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles...
- Pedro interrompeu:- Temos que aprender isso de cor?
André disse:
- Temos que copiá-lo para o caderno?
Tiago perguntou:
- Vamos ter teste sobre isso?
Filipe lamentou-se:
- Não trouxe o papiro-diário.
Bartolomeu quis saber:
- Temos de tirar apontamentos?
João levantou a mão:
- Posso ir à casa de banho?
Judas exclamou:
- Para que é que serve isto tudo?
Tomé inquietou-se:
- Há fórmulas? Vamos resolver problemas?
Tadeu reclamou:
- Mas porque é que não nos dás a sebenta e... pronto!?
Mateus queixou-se:
- Eu não entendi nada... ninguém entendeu nada!
Um dos fariseus presentes, que nunca tinha estado diante de uma multidão nem ensinado nada, tomou a palavra e dirigiu-se a Ele, dizendo:
- Onde está a tua planificação? Qual é a nomenclatura do teu plano de aula nesta intervenção didáctica mediatizada? E a avaliação diagnóstica? E a avaliação institucional? Quais são as tuas expectativas de sucesso? Tens para a abordagem da área em forma globalizada, de modo a permitir o acesso à significação dos contextos, tendo em conta a bipolaridade da transmissão?Quais são as tuas estratégias conducentes à recuperação dos conhecimentos prévios? Respondem estes aos interesses e necessidades do grupo de modo a assegurar a significatividade do processo de ensino-aprendizagem? Incluíste actividades integradoras com fundamento epistemológico produtivo? E os espaços alternativos das problemáticas curriculares gerais?Propiciaste espaços de encontro para a coordenação de acções transversais e longitudinais que fomentem os vínculos operativos e cooperativos das áreas concomitantes? Quais são os conteúdos conceptuais, processuais e atitudinais que respondem aos fundamentos lógico, praxeológico e metodológico constituídos pelos núcleos generativos disciplinares, transdisciplinares, interdisciplinares e metadisciplinares?
Caifás, o pior de todos, disse a Jesus:
- Quero ver as avaliações do primeiro, segundo e terceiro períodos e reservo-me o direito de, no final, aumentar as notas dos teus discípulos, para que ao Rei não lhe falhem as previsões de um ensino de qualidade e não se lhe estraguem as estatísticas do sucesso. Serás notificado em devido tempo pela via mais adequada. E vê lá se reprovas alguém! Lembra-te que ainda não és titular e não há quadros de nomeação definitiva....
E Jesus pediu a reforma antecipada aos trinta e três anos..."

6 comentários:

aminhapele disse...

Suponho que terá sido este tipo de acontecimentos que o levou a pedir a reforma antecipada!
A partir daí terá enveredado pela política activa e foi um sucesso...

ManuelNeves disse...

Viva!

Deveras actual e pertinente esse texto. Muito bom!...
será que li: "acabar com o blogue"..., deixe-se lá dessas conversas. Dedique-se à pesca, mas não acabe com o blogue.

Bom! Deixe-me agradecer-lhe as generosas palavras que me deixou mo Populus. Nem sempre é fácil, levantar-nos e seguir caminho, mas essa é a única solução.

Um Abraço

citadinokane disse...

Não vou aceitar!
Nada de acabar com o blog, como farei contato contigo e o teu mundo???
Calma amigo! Abandone por um tempo... recupere a alegria de postar e depois volte, ok?
Abraços grande irmão de além-mar.
Pedro

aminhapele disse...

Não acredito que essa de acabar com o blogue seja a sério.
Dedique-se à pesca,à vontade.
Mas não acabe com um sítio tão lindo!
Um abraço.

Lilian Tamanini disse...

Boa Noite, aqui vai a lista com 10 motivos para blogar:

por Marta Barcellos

1. Você pode (quase) tudo. Quando faltar inspiração, escreva uma lista de dez motivos para fazer alguma coisa. No final, acabará se divertindo.

2. É bom ter audiência, mesmo sem fazer idéia de quem são os leitores. Você apenas precisa aprender a lidar com essa relação meio íntima com leitores tão anônimos.

3. Com o tempo você percebe que sobrevive sem comentários. Segundo as estatísticas, apenas 1% dos leitores deixa um. Então pare de implorar pelos comentários dos amigos.

4. Blogar ajuda a organizar as idéias, exercitar a escrita e você ainda corre o risco de escrever algo realmente bom.

5. Amigos distantes, ou distanciados, se sentem próximos ao ler o seu blog. Você não precisa de orkut para se relacionar, e só se expõe se, e o quanto, quiser.

6. Você está deixando um registro histórico, da sua vida ou da sua época, embora isso pareça uma grande pretensão agora.

7. O fato de blog não dar dinheiro não é motivo para parar. Pense bem: você realmente não começou porque havia essa possibilidade.

8. Provavelmente você terá mais leitores do que se publicar um livro.

9. Você pode terminar uma lista de dez com nove itens e nenhum editor vai chamar a sua atenção.

Fonte: http://fromoutspace.wordpress.com/2009/01/16/10-motivos-para-blogar/

beijos

as-nunes disse...

Bom dia Tozé
Há momentos em que o entusiasmo com que nos empenhamos em determinados empreendimentos (nem que seja um blogue - vistas bem as coisas dá muito trabalho mantê-lo actualizado e com a qualidade requerida) se vai abaixo. Por diversos motivos. Até por uma questão da nossa própria actividade profissional.
Mas já estou como diz o Pedro Nelito, o seu blogue é uma referência, um porto de abrigo para muitos dos seus visitantes.
A verdade é que começamos a constituir como que uma família...
No entanto, cada um de nós é que sabe como orientar a nossa vida. E as opções nem sempre são fáceis de tomar.
Um grande abraço, Tozé.