terça-feira, 16 de janeiro de 2007

Salamanca - Frei Luís de Leon

Entrada da Universidade
Sala de aulas de Frei Luis de Leon

Este sacerdote, Frei Luís de Leon, insigne professor, dava aulas na Universidade de Salamanca, onde teve problemas com a Inquisição que o levou preso e assim o manteve, durante cinco anos, numa cadeia em Valladolid.
Quando foi libertado regressou à Universidade de Salamanca. O ser regresso causou grande surpresa e também muita curiosidade.
Assim, quando leccionou a primeira aula depois de libertado, a sala encheu-se, pois toda a gente queria saber o que ia dizer sobre os cinco anos de cárcere. Quando os alunos fizeram silêncio, Frei Luís tomou a palavra e, para espanto de todos os assistentes, disse:
“Vamos continuar a matéria no ponto em que a deixámos ontem”.
Quis, com isto, colocar uma pedra sobre os anos de prisão, fazendo como se eles nunca tivessem existido.
Três outros aspectos curiosos: A sala mantém-se na mesma, com uns bancos e umas mesas corridas extraordinariamente incómodas; Frei Luís permitia que os alunos pateassem nas aulas (o que era normalmente associado a desagrado) para que os alunos pudessem aquecer os pés e, por último, os alunos mais ricos eram geralmente os últimos a chegar, tendo os outros que lhes ceder o lugar (geralmente à frente). O objectivo era ter o banco quente, numa cidade onde, no Inverno, é comum chegar-se a temperaturas inferiores a 10 graus negativos.
Uma curiosidade: Podem procurar na primeira imagem (fachada da Universidade) a famosa rã, um dos símbolos de Salamanca. Acreditem ou não, ela está lá.

14 comentários:

profundamente disse...

A nossa arquitectura tem aspectos interessantes e curiosos. É com orgulho que comento as coisas belas do nosso pais.

Um abraço

farinho disse...

São dicas interessantes para passeios de fim de semana. O nosso pais tem construções lindas de se ver.

Beijocas

Anónimo disse...

Quiz-me parecer ve-la no centro da fachada, quase do topo, sera?

Um abraco serrano, e va a festa do "Serra"! (o queijo pois claro)

Anónimo disse...

Da única vez que fui a Salamanca (sem qualquer guia turístico) pouco fiquei a saber desta cidade lindíssima. Todavia, deu para perceber que um dos símbolos que a caracteriza é a rã (o outro é uma caveira e até é bastante comum vê-los associados).

Quanto à rã presente na fachada... Não a consigo encontrar! Talvez tenha saltado e tenha ido tomar uma banhoca ali ao rio. :)

Anónimo disse...

Salamanca nâo fica em Espanha?
Bem me parecia....

Zapatero

Chanesco disse...

Caro Tozé

Após esta visita por Salamanca, que na minha zona significa salamandra, votos de boa semana.

Abraço

mymind disse...

eh pena ja n s fazerem construçoes axim =)
bjts e boa escolha musical!!

Anónimo disse...

Sim, penso que tionha razão. Há momentos na nossa vida que mais vale esquecer.

Beijinhos.
A rã? Não a vi. :(

Anónimo disse...

Obrigado por esta breve viajem a Salamanca! Até breve!

Anónimo disse...

Interessante...gostava de la ir novamente, pois era nova quando por Salamanca passei, mas ficou gravado na memoria.
Beijocas Toze

Anónimo disse...

Grande professor! Um dos aspectos que mais me marcou num congresso que assisti em tempos sobre "A vida estudantil nas Universidades Medievais"...foi as travessuras! Afinal mudam-se os tempos...mas as traquinices não!!
Um abraço.

Anónimo disse...

salamanca é eterna , sem duvida.

Tal como o sexo dos anjos não se questiona. Mas gostei da TUA explicação.

Um abraço

Jofre Alves disse...

Caro Tozé: Frei Luís de Léon foi igualmente poeta místico, humanista, filólogo de renome, tradutor, escritor, frade da Ordem dos Agostinhos e professor da cátedra de Teologia da Universidade de Salamanca. Continuo agradado com esta tua incursão salamantina, sempre de interesse no teu blogue. Bom fim-de-semana.

Anónimo disse...

Procura-se um amigo/a...

Não precisa ser homem,mulher:
basta ser humano, basta ter sentimentos,
basta ter coração.

Precisa-se de um amigo/a que diga
que vale a pena viver,
não porque a vida é bela,
mas porque já se tem um amigo.

Bom final de semana!!!!