domingo, 4 de maio de 2008

Queima das Fitas

Centenário da Sebenta (1899)
Enterro de Grau 1905)
Queima das Fitas (Ao fundo vê-se a Torre. À direita fica, actualmente, a Faculdade de Medicina)
Queima do Grelo no antigo Largo da Feira
A cantar junto à estátua do Papa (estudantes de Desporto)
Carro de Economia (Inferno Cambial). Está lá a minha "piquena".
Os primórdios da Queima das Fitas vamos encontrá-los no século XIX, pois entre 1880 e 1898 tem lugar a celebração de alguns centenários. Essas celebrações atingem o auge em 1899 com a celebração do Centenário da Sebenta (1.ª fotografia).
Em 1901, os alunos do 4.º ano de Direito organizam um cortejo que, dois anos depois, ganharia outro fôlego, com a realização não de um, mas de dois cortejos (um de Direito e outro de Medicina).
Em 1905 tem lugar a comemoração do Enterro do Grau (2.ª fotografia).
Depois de alguns interregnos, avançamos até 1919, ano em que a Queima das Fitas passou a reunir os finalistas de todas as faculdades, passando o dia do cortejo a ser feriado académico e a marcar a subida de grau na hierarquia da academia definida pelo Código da Praxe.
Em 1969, tudo se altera quando é decretado o luto académico, como forma de protesto contra o regime, levando ao cancelamento da Queima.
Foi já comigo na Faculdade que a Queima regressou em 1980. Causou ainda grandes divisões entre estudantes. Do meu curso, que tinha cerca de 150 alunos, apenas cerca de 25 participámos no Cortejo.
No entanto, pouco a pouco, a adesão foi subindo e hoje é residual o número de alunos que não participa na Queima.
Pena que o álcool se tenha tornado a obsessão da Queima.
Felizmente há excepções, havendo quem aproveite todos os momentos até ao fim, coisa que me parece ser difícil de acontecer no meio de uma lavagem ao estômago ou durante um coma alcoólico.
Hoje foi dia de festa pois, 15 anos depois da minha última Queima, tive o prazer de ver a minha filha num dos carros de Economia. Pena ser vermelho e branco, cores que, como sabemos, não dão saúde a ninguém.

34 comentários:

Antona disse...

Buen reportaje amigo,como siempre.
Buena semana
um abraÇo

Pitanga Doce disse...

E pelo que se vê nas fotos o dia estava lindo! Combinando com a alegria dos jovens.

abraços de Pitanga

Nuno disse...

Este ano não fui ao cortejo. Pelo que já li, foi um sucesso a nível de audiências. Será que ter apssado para o domingo não foi tão mau como se julgava?

Parabéns pela tua filhota! ;)

Um abraço,
Nuno.

Capriccio disse...

Parece ser uma festa muito bonita e divertida!! Mas é realmente pena alguns dos estudantes não terem juizo e embebedaren-se, não deve ser bonito para os pais que assistem, digo eu, não sei, eu não gostava de certeza!! Abraço:)

Tozé Franco disse...

Olá Antona.
Obrigado epela visita.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Olá Pitanga.
Espero que a repostagem tenha dado para matar um pouco as saudades.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Olá Nuno.
O cortejo foi o habitual, embora com poucas bocas provocadoras, tirnado as de cárácter sexual.
Obrigado pelos parabéns.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Olá Capriccio.
É realmente uma festa diferente. Pena o excesso de álcool.
Um abraço.

Professorinha disse...

Ai as saudades do meu tempo de estudante... mas só estudante, que isto de ser estudante e ter que trabalhar...

Beijos

aminhapele disse...

Tenho andado "arredio" dos comentários (coisas da idade...).
Mas tenho continuado a visitá-lo,sempre com gosto e a aprender.
Esta Queima até tem estado bonita!
Vermelho e branco?!
Não há melhor!
Cores de Economia.
Um abraço.

Enfim... disse...

acabar por relembrar os bons tempos parabens a filhota que tenha muita sorte e saude para alcançar os seus objectivos...as fotos estão lindas

beijinhos

Tozé Franco disse...

Olá Profesorinha.
Tempos de estudante...Ai que saudades. Vale que hei-de continaur a estudar até ao fim da vida.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Olá Aminhapele.
Só por serem as cores de economia.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Olá Enfim.
Obrigado pelas palavras simpáticas e pela visita,
Volte sempre.
Um abraço.

L&E disse...

Espaço interessante.
As nossos histórias começam agora, era uma vez...dois.

Tozé Franco disse...

Ola I&e.
Resistei e já fui visitar.
Um abraço.

tulipa disse...

TÓ ZÉ

Há uns 8 anos estive em Coimbra por altura da Queima das Fitas...
era uma barulheira toda a noite, ai quem me dera ter outra vez 20 anos...e, ser estudante de Coimbra!

Tenho uma postagem mesmo fresquinha no blog das minhas FOTOS.
Acredita que sou uma «vaidosa» com as fotos que faço, não sei explicar mas tenho gosto e dá-me um grande prazer fotografar.

Por aqui continua o teu talento para as palavras, sempre associadas a belas imagens.
Parabéns.

No outro blog tenho algo sobre cinema, se preferes, bora lá.

Bom fim de semana.

Deixo um beijinho c/carinho.

Sei que existes disse...

Não tinha a noção que a queima das fitas já vem de tão longe!...
Achei engraçado esse comentário sobre o vermelho e branco não darem saúde a ninguém!
Beijo grande

Anónimo disse...

coimbra e uma naçao
nao e storzao








5ºD

Fernando Rodrigues disse...

Momentos para recordar
parabéns

poeta naïf disse...

Se a tua filhota tivesse ido para as Engenharias o carrito já teria uma cor do teu agrado. Mas assim juntou-se ao meu que em vez de branco tinha preto. O vermelho é sempre uma cor viva. Um abração.

Chanesco disse...

Meu caro Tozé

Como de costume, fotos de se lhe tirar o chapéu, para documentar os seus posts.
E a descrição/comentário às ditas, também a condizer.

O único senão é sabor da última frase do texto que deixa um travo amargo.
Vermelho e branco é bem bom! Quem não gosta de morangos com chantili.


Um abraço

Lorêny Portugal disse...

Olá! sou Lorene, falo do Brasil!!!!

Não pude deixar de ler o post em que você escreve sobre a Educação.... Infelizmente acho que o fracasso na Educação Escolar é fenômeno mundial.... nossos jovens não são mais éticos, não têm noção de valores e respeito pela tradição e sobretudo pelo ser humano....culpa de quem?
Nossa, é claro!!!! Acreditamos que poderíamos educar nossos filhos ocm mais liberdade e facilidades qeu o dinheiro compra!

Beijos!!!

Gata Verde disse...

Tenho pena que a Queima já não tenha o sentido académico de antigamente...agora é sinónimo de coma alcoolico!

Beijos

Tozé Franco disse...

Caro amigo do 5.ºD:
Coimbra é realmente uma lição.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Olá Fernando.
Recordar é viver.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Olá Poeta Naif.
O vermelho tema andado um puco desbotado. Coisas da vida.
Um abraço para os cinco.

Tozé Franco disse...

Olá Chanesco.
Tem razão. Como pude esquecer-me dos morangos com chantili. Muitos de referência.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Olá LorênY.
Bem vinda ao meu humilde blog.
Esta cheia de razão. às vezes o futuro preocupa-me quando vejo a falta de valors da sociedade que estamos a criar.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Olá Gata Verde.
Se não fosse a minha filha não tinha lá posto os pés.
Um abraço.

as-nunes disse...

Nota Prévia
Caro Tozé
Antes de mais impõe-se uma contestação. Não concordo que o vermelho e branco não dê saúde a ninguém. O que acontece é que nem sempre o colorido está tão viçoso quanto, nós os dos anos 60, estávamos habituados.
Mas lá virá o tempo. Agora com o Ruizito, a coisa vai mudar de figura, que não de cor.
Excelente crónica/ensaio sobre a história da Queima das fitas em Coimbra.
Aquilo que me lembro, do Porto, no ICP na Rua de Entreparedes (cores azul e branco entre paredes?!), é de ter andado a medir a linha do eléctrico com um fósforo; e de irmos em fila, uns 30 talvez, comprar selos de 1 tostão na altura, a senhora do balcão já chateada com a brincadeira; andarmos de casaco do avesso e vestido ao contrário com a gravata para a frente a vender castanhas com uma caixa de sapatos e a gritar às armas quando passava uma cachopa bonita...
Uma festa, que era o que devia ser..não fosse a tendência para a cerveja!
Enfim, outros tempos!
Um abraço
António

tibeu disse...

Adorei ler e ver este post. Parabens

Tozé Franco disse...

Olá António.
Quanto às cores nunca nos conseguiremos pôr de acordo.
Qaunto ao resto, Coimbra marcou-nos aos dois.
Um abraço.

Tozé Franco disse...

Olá Tibeu.
Obrigado pelo elogio.
Um abraço e volte sempre.