terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Golfe, piscinas, ténis e outras Aventuras...

No outro dia, passou numa televisão, a história de um miudo de uma escola pública que era pastor e praticava golfe. Soube, hoje, que isso é um luxo se praticado numa escola pública com contrato de associação.
Também oferecer ténis aos alunos é um luxo, embora seja uma opção do Desporto Escolar. Talvez seja por isso que o ministério quer acabar com o Desporto Escolar. Está visto que é coisa de ricos.
Quanto às piscinas que algumas escolas têm, são para uso dos seus alunos. É um luxo? Penso que não, até porque, provavelmente, foram construídas com o dinheiro poupado e que que podia ter ido para o bolso dos seus proprietários, como diz a ministra. Estes, no entanto, preferiram investi-lo em algo que os alunos podiam beneficiar.
Esta discussão parece-me ainda mais absurda porque eu estudei numa escola estatal no tempo da outra senhora (Eugénio de Castro -1971/72- que no ano seguinte mudou de nome para Silva Gaio) que tinha piscina. Na altura, havia em Coimbra 3 piscinas (as municipais, a da Escola Martim de Freitas e a da Silva Gaio). Hoje, 40 anos depois, ter piscina ao serviço dos alunos é um luxo. Só não sei que nome hei-de dar a um Estado que deixou ao abandono a piscina onde aprendi a nadar, até ficar sem recuperação, e que hoje funciona como secção da halterofilismo da AAC. Bendita escola (Estado) que, para não ser acusada de luxo, deixa degradar uma infra-estrutura destas. É por estas e por outras que a Parque Escolar tem tanto que fazer embora não tenha um tostão, ao contrário das dívidas (+ de 1.200 milhões de €?)
Senhora Ministra, se há quem não mereça a sua confiança, vá direita ao assunto e não arraste o nome de todas as escolas públicas com contratos de associação para a lama. Para isso já basta o Sr. Mário Nogueira que não aguentou por muito tempo a pele de cordeiro que vestiu no Sábado, na tentativa de apanhar os incautos que o ouviram e questionaram, mas só obtiveram as famosas respostas de cassete.
Se fosse no Contra-Informação já tinha nome: Cassete Nogueira.

2 comentários:

n disse...

Com bolos se enganam os tolos!...
Temo discursos populistas que confundem os incautos... até porque, como diz Barra da Costa, "Portugal é hoje um paraíso criminal onde alguns inocentes imbecis se levantam para ir trabalhar,recebendo por isso dinheiro que depois lhes é roubado pelos criminosos e ajuda a pagar ordenado aos iluminados que bolsam certas leis."

as-nunes disse...

Tozé

Esta Sra.Ministra nem sabe lá muito bem como sincronizar o discurso com as circunstâncias dos momentos.
Isso leva a que meta os pés pelas mãos na vã tentativa de tentar agradar a alguns ideólogos do Estatal, de que o Estado é que serve e bem o Povo.

Onde está a chegar esse tão apregoado Estado Social!
Estado sim, mas para prestar serviços de interesse público.
Onde está a dúvida de que o Ensino em Escolas Privadas é de interesse público. Por maioria de razões quando se substitui ao próprio Estado, dito social na cassete!

um abraço
António